quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Repeteco


Falta, ausência, melancolia suada, claustrofobica, atacam, inclusive, aos que não são dados a sinestesias.

Difícil de traduzir, seja qual for o idioma, vem travestida de morte, é um vazio de desejo, um vazio cheio até a boca.

O nome está para a coisa como a coisa para o nome, e isso de poder chamar traz alívio, sensação de lugar. Saudade não se traduz, não permite que se profira o nome, toma forma de sentido próprio. Digo saudade referindo-me ao inominável, à dor amorfa que se acomoda ao corpo, parasitando, fazendo reverberar vontade sem fundo.

O monte de nãos que trago na alma transbordam salgados, irrompem dos vitrais castanhos, me rebentam em soluços obstinados. Saudade rasgada faz babar, vira a pessoa em bicho, as vezes furioso, machucado. Posso tanto, sem poder mais o que quero quando é absolutamente imprescindível.

Saudade imprime nos segundos o teu olhar ausente, tal qual descreveu o poeta certa feita. Dói com a força de “para sempre”, endoidece, amargura, transtorna. Urro silenciosa ao sentir suas unhas cravadas nas minhas costas, padeço da dor de saudade recente, a que ainda não se resignou.

Ora, também pudera, o corpo ainda impregnado com teus sentidos se alimenta de resquícios, daquilo que se quis esquecer. A química é densa, resiste na corrente sanguínea, mas pressentindo que tudo se dilui em mim, o corpo desespera.

Nunca mais.

A primeira saudade dilacera a alma, tamanha sua franqueza, seca a garganta com a verdade do não que se impõe austero, castiga o corpo condenado a não mais sentir prazer ou alívio.

Diz que saudade se mata. Não se resolve, não se sacia, não se alivia, se mata. E quem tem saudade, faz o quê?


- Elis Barbosa

5 comentários:

  1. Carlos Vinicius Ribeiro27 de novembro de 2009 02:35

    Você me obrigou a fazer um inventário de "nãos que trago na alma" - eu sequer tinha noção de que eram tantos.

    Bem observado: ela é aquela cujo nome não pode ser pronunciado.

    Não tenho como responder a sua pergunta final, lamentavelmente; o que sei, Elis, é que há menos de quatro horas que você falou comigo, e já estou com saudade. Caso descubra o que fazer comigo mesmo, depois lhe conto(!).

    Ah, e sobre a forte conclusão, desculpe-me por lhe decepcionar; por não estar à altura de suas expectativas, mas eu sou meio maluco mesmo: de vez em quando, tenho necessidade de matar - não aliviar, saciar ou resolver - alguma coisa surreal e naturalmente violenta dentro de mim. E aquele final já estava escrito antes do início.

    Beijos, Elis, e obrigado por sua literatura e seus comentários!

    ResponderExcluir
  2. Carlos Vinicius Ribeiro30 de novembro de 2009 10:04

    Há dias estou tentando retribuir seu último comentário, mas confesso que não me sinto capaz - justo eu, a pessoa para quem você teve que explicar as palavras(!); você me deixou esvaziado delas.
    Em raros momentos de minha vida fiquei vermelho. Cabem apenas em uma de minhas mãos as pessoas que conseguiram fazê-lo (e ainda me sobram dedos). E isso é tão bom!...

    Muito obrigado, Elisangela Batista Barbosa.

    Ah, e sobre passar por aqui: é porque me sinto à vontade; em casa.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Que espaço gostoso e que texto bonito, minha querida. Vou voltar sempre aqui. Abraços, Tati

    ResponderExcluir
  4. Nada como uma emoção visceral para fazer jorrar essa arquitetura de palavras. Bjos com saudades, Kk

    ResponderExcluir
  5. Kk, de minha vida!!!! Que saudade fofa! Voce sumiu! Muitas exclamacoes voce provoca, percebe?
    Vou mandar e-mail para falarmos bem muito de nos mesmas.
    Beijos Linda!

    ResponderExcluir

Troca comigo, meu texto pela sua impressão dele ;O)