quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Monções

Era tanta canseira, que o dia acordado resolve manter os olhos semi-serrados, e não brilha. A enchente fez de tudo resto, destruição pela metade, e por conta de as coisas não poderem ser senão em sua totalidade, foi tudo feito fim. Os móveis estavam cedidos no que lhes juntava dando forma e motivo, amargavam um ar imbecil de matéria enganosa, foram descobertos na sua falta de solidez. As paredes rachadas também mostravam o quanto não continham, fincavam-se ali, escondendo qualquer coisa que as rachaduras tratavam de denunciar. Surpreendeu-se ao identificar na casa as mesmas estrias do corpo advindas de crescimento acelerado, ocorrido antes da maturidade da pele. A pele pode até ser a última que morre, mas se precipita em ser a primeira que se ressente.

As janelas, ilusões de transparência, mostravam o que eram   

A casa transtornada representava desamparo e certeza amargos. Tudo molhado

Sem dúvida dilúvio é ciclo, e o arco-íris não passa de símbolo da promessa de que mais hora, menos hora todas as cores se farão brilhantes novamente (no céu, de modo inconfundivelmente etéreo, e jamais ao alcance de ser bálsamo) com o objetivo exclusivo de contrastar a imundície embaçada do barro que não passa de transitória matéria diluída em confusão.

2 comentários:

  1. "Foram precisas separações, tantas separações
    Uma separação..."

    ResponderExcluir

  2. Olá , passei pela net encontrei o seu blog e o achei muito bom, li algumas coisas folhe-ei algumas postagens, gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns, e espero que continue se esforçando para sempre fazer o seu melhor, quando encontro bons blogs sempre fico mais um pouco meu nome é: António Batalha. Como sou um homem de Deus deixo-lhe a minha bênção. E que haja muita felicidade e saude em sua vida e em toda a sua casa.
    PS. Se desejar seguir o meu blog,Peregrino E Servo, fique á vontade, eu vou retribuir.

    ResponderExcluir

Troca comigo, meu texto pela sua impressão dele ;O)